Horário de Funcionamento:  Seg‑Sex  09:00‑18:00  
Telefone:   (31)995787120

D e SSD, como manter a vida útil de seus dispositivos de armazenamento

D e SSD, como manter a vida útil de seus dispositivos de armazenamento

Para realizar este tipo de procedimento existem diversos tipos de aplicativos e até mesmo ferramentas do próprio sistema operacional. Não vou me ater a nenhuma em específico, mas vou citar algumas que você pode usar para realizar estas manutenções.
Backups devem ser sempre a primeira preocupação do usuário, ela talvez seja a dica de manutenção mais eficaz de todas, pois vai garantir que você nunca perca seus arquivos, por este motivo, mantenha backups atualizados de seus principais arquivos, sejam eles feitos através de servidores na nuvem, HDs externos ou até mesmo pendrives.

Para ficar menos complicado de entender, vou separar o artigo em uma primeira parte exclusiva sobre HDs e a outra exclusivamente sobre SSDs.
Arquitetura e funcionamento do HD

Para entender melhor como realizar os procedimento, e por que alguns deles podem acabar prejudicando o desempenho do seu HD, nada

melhor do que entender o seu funcionamento. Bem, o disco rígido, apesar de não parecer, realmente é um disco, porém coberto com uma capa de metal, devidamente isolada para evitar que qualquer corpo estranho possa danificar a estrutura do mesmo. No seu interior ele é composto por discos magnéticos que também são chamados de pratos (quanto maior a capacidade do HD, mais pratos ele vai possuir), um eixo, que é responsável para rotação dos mesmos, braços e cabeças de leitura e um atuador, que é quem controla os movimentos de leitura do braço. A grosso modo se compararmos o HD com um toca vinil a cabeça de leitura seria a agulha, porém ao contrário do toca vinil, no HD não existe nenhum contato entre o disco e a cabeça, pois todo o processo de gravação e leitura é feito de forma magnética.

Como componente externo do HD podemos identificar sua placa lógica, ela por sua vez possui diversos componentes, os principais são o Chip chamado de controlador e o chip de memória conhecido como buffer, o controlador é responsável por gerenciar as ações e movimentos dos discos e das cabeças de leitura/gravação, ele também é responsável por gerenciar o envio e recebimento de dados entre o computador e o HD. Já o buffer ou memória cache, tem a finalidade de armazenar pequenas quantidades de dados, para tornar mais rápido o processo de leitura e gravação, já que nesse chip ficam alocados dados relacionados aos que a cabeça de leitura está processando. Os discos rígidos oferecidos no mercado atual possuem em média 64MB de memória cache, e ao contrário do que se pensa, muito mais memória que isso não tornaria o HD mais rápido. Quanto a velocidade do disco rígido, no mercado atual, o padrão SATA III tem capacidades de leitura e gravação de até 6GB/s, em discos que giram a 7.200 RPM, quanto a este ponto, não é possível notar muita diferença em discos com velocidades superiores. Variações só são perceptíveis quando partimos para a comparação com SSDs.

Basicamente esta é a estrutura do Disco Rígido, e quanto a seu funcionamento, o que é interessante sabermos é como os dados são alocados. No HD, os dados são organizados através de trilhas e setores, e divididos entre os pratos, cada setor possui uma capacidade determinada de armazenamento, que geralmente é 512 bytes. Por este motivo muitas vezes, os arquivos ficam alocados em vários setores ou até trilhas diferentes, o que acaba tornando a leitura mais demorada, devido a necessidade da cabeça de leitura percorrer vários setores para dar continuidade a execução desses arquivos. Outro fato que ocorre durante a leitura, é que o movimento realizado pelo braço de leitura é igual para todos os pratos, portanto a leitura não pode ser realizada de forma independente caso os dados estejam em pratos diferentes.
Manutenção, o que pode ajudar e o que pode prejudicar

Levando em conta, os componentes e o funcionamento do nosso Disco Rígido, agora podemos chegar a algumas conclusões, que vão deixar claro o que pode ser útil para melhorar o desempenho do nosso HD, ou ajudar a manter a vida útil dele em dia. O primeiro a se observar são as condições físicas do seu HD, como ele está instalado no seu PC, se ele não aquece muito, esta com muito pó em suas conexões e até se a energia que a fonte oferece ao mesmo está na tensão correta. No caso de Notebooks este procedimento pode ser um pouco mais complicado, porém existem aqueles modelos cujo compartimento do HD é separado, bastando apenas a remoção de alguns parafusos e a tampa de proteção.

Depois de checar o estado físico, podemos partir para testes de Software, eles na sua maioria apresentam relatórios completos, sobre o estado tanto de setores, trilhas e até sobre a velocidade de rotação. Alguns exemplos de programas são o HD Tune e Crystal Disk Mark.
Com estes programas é possível verificar se seu HD está principalmente com os conhecidos BadBlocks.

Deixe um comentário

×